Formação

Course in Laboratory Animal Science - Category C with FELASA accreditation

Decorrerá de 27 de Março a 7 de Abril de 2017 o “Course in Laboratory Animal Science - Category C with FELASA accreditation” no Instituto de Imagem Biomédica e Ciências da Vida (IBILI) da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Pólo III - Ciências da Saúde). Este curso de 80 horas foi organizado segundo as recomendações da FELASA e combina exposições teóricas com inúmeros exercícios práticos e trabalhos de grupo. Mais informações disponíveis em: http://www.uc.pt/fmuc/cimago/cursos/curso_Felasa

Contactos para recolha de informações adicionais:

Organização:
Cláudia Caridade (acaridade@fmed.uc.pt; 239480240)

Divulgação:
Research Trial (general@research-trial.com; 939793027)

WPA News

From the WPA President - Letter and Documents

Please find attached a letter and SIX documents sent on behalf of Prof. Dinesh Bhugra.

Best wishes,
Pamela Atiase

 

World Psychiatric Association, 2 Chemin du Petit Bel-Air, 1225 Chêne-Bourg, Geneva, Switzerland
E-mail: wpasecretariat@wpanet.org.
Tel: 4122 305 5737. Fax: 4122 3055735.
Website: http://www.wpanet.org/

Letter from the WPA President (3.February.2017)
1. Bill of Rights for Persons with Mental Illness - Dinesh Bhugra
2. Bill of Rights for Children and Young People
3. WPA Position Statement on High Quality Training-Sep 2016
4. WPA Position Statement on prevention of mental illness Jan 2017
5. WHO letter to Shekhar Saxena
6. Graham Lancet letter re WGO DG

*************** ALTERAÇÃO DE DATAS *************** Curso de Psicopatologia Quantitativa e Avaliação Psicológica para Internos de Psiquiatria

Formação

*************** ALTERAÇÃO DE DATAS *************** Curso de Psicopatologia Quantitativa e Avaliação Psicológica para Internos de Psiquiatria

DIAS 11, 18 e 25 Março, 8 e 29 Abril e 6 Maio 2017
Sábados entre as 10:00 e as 13:00H

Métodos de avaliação quantitativa em Psiquiatria • Testes psicométricos: • Avaliação do funcionamento cognitivo: - Avaliação Neuropsicológica - Avaliação da Inteligência • Avaliação da personalidade - Testes projetivos - Testes Não Projetivos

Métodos de avaliação qualitativa em Psiquiatria • A entrevista fenomenológica

Avaliação dos principais quadros clínicos Escalas de avaliação psicopatológica: • Primeiro episódio psicótico • Esquizofrenia (sintomas e funcionamento • psicossocial) • Depressão e Doença Bipolar (avaliação da eficácia e tolerância dos medicamentos) • Ansiedade e POC (indicação e evolução sob tratamento psicológico • Dependências • Suicídio e comportamentos auto-lesivos • Demências e Défice cognitivo minor

Local: A definir
Inscrições até 27 Fevereiro
Inscrições: 200€ não Sócios / 150€ Sócios
Secretariado: Ana Fernandes - Email: sppsm.secretariado@gmail.com - Telm: +351 962935993

Faça aqui o download da brochura

Emprego

Staff Specialists in Adult Psychiatry and Child Psychiatry - Sweden

We are currently looking for Staff Specialists in Adult Psychiatry and Child Psychiatry for job offers based in Sweden. Is there a way to make visible these job offers through your association, for example through your webpage, mailings/newsletter to your members, or through social media? Please find our offers below:

http://www.medicarrera.com/docs/Psychiatry_Eksjö_2016.pdf

http://www.medicarrera.com/docs/Child_Psychiatry_Jonkoping.pdf

http://www.medicarrera.com/docs/Affective_and_addiction_psychiatry_Gothenburg.pdf

 

Atividades Científicas

Programa Actividades 2017 Secção PsicoOncologia SPPSM

Programa de Acção - 2017


Direcção

Presidente
Sílvia Ouakinin (Psiquiatra, Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa)


Vice-Presidente
Guida da Ponte (Assistente Hospitalar de Psiquiatria, Centro Hospitalar Barreiro-Montijo)


Secretária
Margarida Lobo (Assistente Hospitalar de Psiquiatria, Centro Hospitalar Barreiro-Montijo)


Membros

António Paiva
Guida da Ponte
Joana Gomes
João Miguel Pereira
Jorge Câmara
Lúcia Monteiro
Luísa Vicente
Margarida Lobo
Maria Luísa Figueira
Patrícia Câmara
Sílvia Ouakinin
Pedro Varandas


A Secção de Psico-Oncologia, constituída em Novembro de 2016 e cuja Direcção foi aprovada em Dezembro de 2016, tem como principais objectivos contribuir para o desenvolvimento do conhecimento na área de Psico-Oncologia, reconhecer os cuidados psicossociais aos doentes com cancro como um direito humano universal e integrá-los como cuidados de rotina. Propõe-se igualmente estabelecer relações de trabalho com outras organizações na área da Psico-oncologia tanto a nível nacional como internacional, de forma a promover a formação e investigação.

Neste âmbito, a Secção propôs como objectivos para o triénio 2017 – 2019:

  • Consolidar a Secção “Psico-Oncologia” como entidade específica, promovendo a sua divulgação entre a comunidade científica médica, especialmente nas especialidades de Psiquiatria e Oncologia;
  • Constituir o distress o 6º sinal vital, depois da temperatura, tensão arterial, pulso, frequência respiratória e dor;
  • Estimular a formação e investigação na área da Psico-Oncologia, com particular ênfase para os internos da especialidade;
  • Promover a presença da Secção de Psico-Oncologia em encontros nacionais e internacionais;
  • Promover eventos de formação na área de Psico-Oncologia em Portugal com a presença de conferencistas internacionais de reconhecido mérito na área;
  • Realização de pelo menos um evento anual, com programa científico próprio, com a participação de sócios da Secção e conferencistas de reconhecido mérito;
  • Realização de mesa anual da Secção de Psico-Oncologia no Congresso Nacional de Psiquiatria e Saúde Mental;
  • Elaboração de página Web da Secção com informações relativas à mesma e informações de relevo nesta área quer de nível nacional, quer internacional;
  • Integração na Secção “Psycho-Oncology and Palliative Care” da World Psichiatric Association e na International Psycho-Oncology Society;
  • Concepção e elaboração de projectos de investigação nacionais.

Programa de actividades proposto para 2017

  • Simpósio da Secção de Psico-Oncologia, intitulado: “Distress e adaptação psicológica ao cancro” no 5th Conference of the European Association of Psychosomatic Medicine (EAPM), Barcelona, Espanha, 28 Junho a 1 Julho 2017; chairs: Jordi Blanch, Sílvia Ouakinin, palestrantes: Jorge Espírito Santo, Susana Eusébio, Marco Torrado, Sílvia Ouakinin, Guida da Ponte;
  • Symposium da Secção de Psico-Oncologia na Reunião Nacional das Secções da SPPSM;
  • Curso de “Introdução à Psico-Oncologia”, dirigido a médicos, psicólogos e enfermeiros, com a duração de 8 horas, a realizar no mês de Outubro de 2017.

Geral

«Primeiro Episódio Psicótico»: Nova secção da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental

Foi aprovada na Assembleia Geral da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental (SPPSM), que decorreu a 11 novembro, durante o XII Congresso Nacional de Psiquiatria, uma nova secção designada “Primeiro Episódio Psicótico”.

Trata-se de uma secção que pretende reunir "todos os médicos psiquiatras que têm interesse clinico e de investigação nos doentes jovens que estão nas fases iniciais das doenças psicóticas", explica o psiquiatra Ricardo Coentre, vice-presidente desta nova secção.

Diagnóstico precoce para "prevenir as recaídas"

O especialista recorda que as doenças psicóticas, "como a esquizofrenia ou a doença bipolar, têm o seu início em idade jovem, habitualmente no fim da adolescência e início da idade adulta, com impacto negativo importante para os doentes e suas famílias" e acrescenta:

"Nas últimas duas décadas surgiram, inicialmente na Austrália e Escandinávia, e depois com disseminação um pouco por todo o mundo, equipas especializadas no diagnóstico e acompanhamento de doentes jovens que estão no início destas doenças."

Segundo o docente da Faculdade de Medicina de Lisboa e médico psiquiatra no Hospital Vila Franca de Xira, onde coordena uma programa para estes doentes, “o objetivo fundamental é o diagnóstico precoce destas doenças, reduzindo o designado período de doença não tratada, garantir o seu tratamento adequado, assegurando a remissão clinica e melhoria do funcionamento e prevenir as recaídas e recorrências das doenças".

Ricardo Coentre com Pedro Levy (presidente da secção “Primeiro Episódio Psicótico”) e Maria Luísa Figueira, presidente do XII Congresso Nacional de Psiquiatria.

De acordo com Ricardo Coentre, "os estudos indicam que os jovens que iniciam o seu tratamento nestas equipas especializadas têm melhor prognóstico face aos doentes tratados da forma habitual”. Desta forma, é salientada a importante de "um tratamento assertivo, multidisciplinar, incluindo a medicação, intervenção familiar, psicoterapia cognitivo-comportamental, psicoeducação, intervenção vocacional, entre outras áreas".

Com a criação desta nova secção pretende-se "a divulgação, entre colegas psiquiatras, das boas práticas clínicas nestes doentes, troca de experiência clinicas entre as várias equipas especializadas, realização de encontros científicos e colaboração para trabalhos de investigação".

Para Ricardo Coentre “em Portugal ainda estamos numa fase inicial de desenvolvimento destas equipas especializadas, mas existem já várias a trabalhar em hospitais do país nesta área. Pretende-se com esta nova secção contribuir igualmente para a melhoria das equipas já existentes, mas também para a criação de novas equipas”.

Durante o XII Congresso Nacional de Psiquiatria foi igualmente aprovada uma outra secção da SPPSM, presidida pela psiquiatra Sílvia Ouakinin, sócia fundadora da Sociedade Portuguesa de Psicossomática e responsável pelo Núcleo de Formação.

Médicos sócios fundadores da Secção "Primeiro Episódio Psicótico" da SPPSM:
Ana Ramos, Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa
Ana Peixinho, Hospital Lusíadas Lisboa
Berta Ferreira, Hospital Prof. Fernando Fonseca, EPE
Catarina Klut Câmara, Hospital Beatriz Ângelo, Loures
Filipe Lopes Vicente, Hospital Garcia de Orta, EPE
Hugo Miguel Reis da Silva, Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, EPE
Inês Chendo, Centro Hospitalar Lisboa Norte, EPE/Faculdade de Medicina de Lisboa
Joana Maia, Centro Hospitalar de Leiria, EPE
João Campos Mendes, Unidade Local de Saúde da Guarda, EPE
Joaquim Gago, Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, EPE/Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa
José Salgado, Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa
Magda da Veiga Pereira, Hospital Garcia de Orta, EPE
Manuela Abreu, Centro Hospitalar Lisboa Norte, EPE/Faculdade de Medicina de Lisboa
Margarida Duarte, Centro Hospitalar de Leiria, EPE
Maria Celeste Sousa Silveira, Centro Hospitalar São João
Maria João Avelino, Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa
Maria Luísa Figueira, Faculdade de Medicina de Lisboa
Nuno Madeira, Hospitais Universidade de Coimbra
Patrícia Frade, Centro Hospitalar do Oeste
Pedro Levy, Centro Hospitalar Lisboa Norte, EPE
Ricardo Moutinho Coentre, Hospital Vila Franca de Xira/Faculdade de Medicina de Lisboa
Rita Mateiro, Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa
Susana Jorge Conceição, Hospital Prof. Fernando Fonseca, EPE
Teresa Maia, Hospital Prof. Fernando Fonseca, EPE
Tiago Santos, Centro Hospitalar do Baixo Vouga

Geral

Sociedade de Psiquiatria cria Secção de Psico-Oncologia «para estruturar novas formas de tratamento»

Atendendo à importância dos aspetos psicológicos no tratamento e na evolução dos doentes com cancro, a Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental (SPPSM) criou uma nova Secção de Psico-Oncologia. Sílvia Ouakinin, uma das suas fundadoras, sublinha que “o peso desta área no tratamento global dos doentes do foro oncológico tem vindo a ser cada vez mais reconhecido”.

Esta nova Secção da SPPSM foi aprovada durante o XII Congresso Nacional de Psiquiatria, que decorreu de 10 a 12 de novembro, em Vilamoura. Os corpos sociais serão eleitos em breve.

Em entrevista à Just News, Sílvia Ouakinin, sócia fundadora da Sociedade Portuguesa de Psicossomática e responsável pelo seu Núcleo de Formação, menciona que esta área tem implicações práticas muito importantes na forma como as pessoas reagem à doença, como lidam com os tratamentos, na evolução da doença e, ainda, na qualidade de vida dos doentes.

A psiquiatra, que é professora auxiliar de Psicologia Médica, Psiquiatria e Saúde Mental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, acrescenta que, neste momento, o cancro é uma doença crónica e, como tal, ”implica uma adaptação de longo prazo, que passa por um conjunto de processos de nível psicológico, determinantes não só na adaptação à doença, mas também na forma como as pessoas se reorganizam face à sua vida e na qualidade de vida que conseguem”.

Segundo Sílvia Ouakinin, já há muito tempo que o National Comprehensive Cancer Network (NCCN) -- entidade que, de alguma forma, regula a qualidade do tratamento nesta área -- reconheceu a necessidade do tratamento psicossocial, incluindo nas suas guidelines os instrumentos necessários para a avaliação do distress.

“Um dos objetivos da Secção é o reconhecimento do distress como sexto sinal vital, ou seja, como aspeto a ter em conta na avaliação de todos os doentes e que tem uma margem de abordagem e de tratamento que interfere na forma como o doente se adapta à doença”, aponta.

Esta Secção pretende incluir psiquiatras, psicólogos e oncologistas, ou outros profissionais de saúde que estejam envolvidos no tratamento de doentes com patologia oncológica. A ideia é, segundo Sílvia Ouakinin, “criar um espaço onde seja possível refletir sobre a importância destes aspetos para estruturar novas formas de tratamento, discutir a abordagem psiconeuroimunológica no contexto do cancro, tal como a abordagem psicológica e psiquiátrica face às comorbilidades psiquiátricas do cancro”.

A psiquiatra menciona que é sabido que, por exemplo, a depressão é uma comorbilidade extremamente importante e frequente  no cancro, tal como as perturbações da ansiedade. Além destas, existem outras que se prendem com alterações que ocorrem associadas à própria doença ao nível do sistema nervoso central e também dos tratamentos (quimioterapia e radioterapia).

Também durante o Congresso foi aprovada outra nova Secção da SPPSM designada “Primeiro Episódio Psicótico”, que pretende reunir todos os médicos psiquiatras com interesse clínico e de investigação nos doentes jovens que estão nas fases iniciais das doenças psicóticas.

Artigos de opinião e afins

Dia Europeu da Depressão: FMUL acolhe simpósio «Conhecer a Pessoa – Tratar a Doença»

Dia 17 de outubro realiza-se, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL), o simpósio "Conhecer a Pessoa – Tratar a Doença". Organizado pela Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental (SPPSM), o evento é particularmente dirigido a todos os profissionais de saúde e estudantes de Medicina, mas está aberto ao público em geral, e visa assinalar o Dia Europeu da Depressão.

As boas vindas aos participantes e a introdução do tema estarão a cargo de Luís Camara Pestana, diretor do Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN), tendo assumido recentemente este cargo, e de Maria Luísa Figueira, presidente da Comissão Organizadora do XII Congresso Nacional de Psiquiatria (CNP).

Com a realização deste evento, com início marcado para as 09h00, a SPPSM pretende "chamar a atenção para o facto de que, além da doença a tratar, existe uma pessoa e todo um contexto psico-social a abordar". Neste sentido, serão proferidas palestras sobre "Tratamento integrado da depressão", "Estratégias de adaptação à doença" e "Conhecer a pessoa doente e a sua vulnerabilidade", sendo este último tema desenvolvido por Maria Luísa Figueira. O programa completo pode ser consultado aqui.

O Dia Europeu da Depressão é promovido pela European Depression Association (EDA), uma aliança de organizações, doentes, investigadores e profissionais de saúde de 19 países da Europa. Esta associação alerta que "mais de 50 milhões de cidadãos europeus (11% da população) têm alguma forma de perturbação mental em determinado momento das suas vidas". Maria Luísa Figueira é a representante da EDA no nosso país.


No próximo mês, e após a organização deste simpósio, a Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental realiza, em Vilamoura, o seu Congresso Nacional que, este ano, será presidido exatamente por Maria Luísa Figueira. Esta 12ª edição, subordinada ao tema "Ideologia e Ciência em Psiquiatria", visa promover um debate "sobre as formas de conhecimento em Psiquiatria, sobre o problema das evidências científicas versus as crenças e ideologias que dominaram e ainda dominam o pensamento psiquiátrico".

http://justnews.pt/noticias/dia-europeu-da-depressao-fmul-acolhe-simposio-conhecer-a-pessoa-tratar-a-doenca#.WBdM8qNh2Rs

Formação

Iº Ciclo Temático de Formação em Alcoologia: Convite para participação

A Unidade de Alcoologia de Coimbra (UAC) da DICAD da ARS Centro, IP é uma Unidade especializada no tratamento e reabilitação de doentes com problemas ligados ao uso, abuso e dependência de álcool, desenvolvendo para esse efeito programa de internamento e ambulatório.

A UAC desenvolveu o projecto “Ciclos Temáticos de Formação em Alcoologia”, através dos quais pretende promover o debate técnico entre as diferentes áreas do saber e distintas entidades que concorrem directa ou indirectamente para o processo de prevenção, tratamento/reabilitação e reinserção de pessoas com problemas ligados ao consumo nocivo de álcool.

As formas tradicionais de fazer formação assumem habitualmente a forma de Congressos ou Cursos. A UAC propõe uma formação dilatada no tempo, constituída por acções mensais, com duração de 3 a 4 h de formação, num formato de conferência ou workshop, seguido de debate.

Os interessados participarão nas sessões em que se inscrevam e que melhor correspondam, em termos formativos, às suas necessidades específicas. Encontram-se planeadas 3 sessões a realizar ainda durante o ano de 2016 e 11 para 2017, as quais terão lugar no Auditório da Unidade de Alcoologia de Coimbra, sita nas instalações do antigo Hospital Psiquiátrico do Sobral Cid.

Propomos para cada acção um tema de reconhecido interesse, um palestrante de sólida qualidade científica, seguida de uma hora de debate com esse mesmo palestrante, que permitirá colocar dúvidas, esclarecer conceitos e discutir aspectos práticos rentabilizando a presença de especialistas nas várias matérias. A este debate segue-se um espaço, em que os vários técnicos de saúde, os vários profissionais, médicos, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos e outros, poderão colocar à discussão com a equipa da UAC casos clínicos, aspectos práticos relativos à orientação de utentes dos seus ficheiros, formas de fazer em que podemos trocar experiência e conhecimento e efectivamente praticar, no sentido real, uma verdadeira e eficaz articulação.

A primeira sessão que propomos realizar em 27 de Setembro de 2016, tem como tema “A adição ao álcool e a oncologia”, desenvolvida pelo Dr. Nuno Bonito, reconhecido médico oncologista do I. P. O. F. G. Coimbra, EPE e membro da Sociedade Portuguesa de Oncologia, acompanhado pelos Dr. Tiago PrazeresPsicólogo da LPCC, e pela Drª. Maria Teresa Sousa, Técnica Superior de Serviço Social do I. P. O. F. G. Coimbra, EPE.

Na segunda actividade formativa, programada para 25 de Outubro de 2016, poderemos contar com o Prof. Doutor Carlos Braz Saraiva, Professor da FMUC, Regente da Cadeira de Psiquiatria, Chefe de Serviço de Psiquiatria Mulheres do CHUC, Presidente da Sociedade Portuguesa de Suicidiologia e autor de vários livros da área, que abordará aspectos ligados à “Imputabilidade e inimputabilidade no indivíduo com Problemas Ligados ao Alcool”.

O terceiro tema já agendado para 15 de Novembro de 2016, reporta a “Direitos e Deveres dos doentes - Questões éticas”, e para ele contamos com a disponibilidade do Director do Centro de Direito Biomédico da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, e membro da Comissão Ética para a Investigação Clínica, Prof. Doutor André Dias Pereira.

A possibilidade de melhorarmos a nossa formação nestes e outros aspectos, com especialistas nas várias matérias, de discutirmos questões práticas e de articularmos na resolução de casos e problemas, parece-nos uma forma extremamente enriquecedora de aumentar a qualidade das várias intervenções, de optimizar resultados e conjugar esforços.

Uma tarde por mês parece-nos ser o modo mais racional de o fazer. É um formato que não implica a ausência de dois ou três dias do local de trabalho, com implicações na redução de dificuldades inerentes para os utentes e para os serviços, facilitando, por outro lado, a participação activa de todos, fomentando a discussão de situações reais, aperfeiçoando respostas multidimensionais.

As redes de articulação desenham-se no papel mas implementam-se no terreno, no dia-a-dia, no conhecimento próximo dos profissionais sobre o funcionamento dos outros serviços, na comunicação eficaz, e isso só se obtém se nos conhecermos melhor, comunicarmos melhor, partilharmos “know-how” e tivermos mecanismos eficientes de complementaridade de intervenções.

As sessões serão dirigidas a profissionais das várias áreas de intervenção, desde a Saúde, os Tribunais, as Polícias, a Segurança Social, IPSS’s, Ordens e Associações Profissionais, Associações Científicas, Associações de doentes e todas as entidades que tenham interesse nesta área temática, em particular, de modo a podermos melhorar efectivamente o trabalho conjunto, para um mesmo objectivo.

A Ordem dos Médicos, a Ordem dos Advogados, a Liga portuguesa Contra o Cancro, a Sociedade Portuguesa de Oncologia, entre outras, já nos manifestaram interesse em divulgar esta formação nos seus sites. Da nossa parte a divulgação será feita através de cartaz, site informático, correio electrónico e através da intranet da ARS Centro, IP.

As inscrições são gratuitas, feitas online, bastando para o efeito aceder ao formulário de inscrição através ao Código QR que se encontra lateralmente aposto. Poderão, de igual modo, efectivar inscrição através do envio de mail para o endereço uacoimbra.geral@gmail.comSerá recepcionado link para acesso online ao formulário de inscrição.

Ver Poster