V Encontro Nacional das Secções da SPPSM com programa inovador e plural

Publicado em Categorizado como Agenda, Artigos, Congressos e encontros científicos, Geral, Notícias WPA/EPA

O V Encontro Nacional das Secções da Sociedade Portuguesa de Psiquiatria e Saúde Mental (SPPSM) vai decorrer nos dias 22 e 23 de março, no MH Atlântico Peniche. Susana de Sousa Almeida, Secretária-Geral da SPPSM, revelou mais sobre a iniciativa, que este ano se destaca pela autonomia conferida às Secções na escolha dos modelos de partilha científica.

Quais os principais objetivos deste encontro?

Susana de Sousa Almeida (SSA): O principal objetivo é que haja uma  atualização nas áreas que cada secção desenvolve, apura trabalho e a que dedica, com olhos nas inovações e no futuro, sempre que possível. Espero que seja também uma oportunidade de todos os participantes poderem ter formação e alargarem os seus interesses, acedendo aos conteúdos trabalhados pelas secções a que habitualmente poderão não ter possibilidade de estar tão expostos. No fundo, formação transdisciplinar em áreas diferentes e desafiantes.

Quais os hot topics desta edição? 

SSA: Cada secção desenvolveu um programa inovador e plural. Haverá key note speakers de grande relevo, nacionais e internacionais, e todas as secções pensaram em modelos motivadores de como reunir participantes e partilhar conhecimento. Sem destaques ou ordens especiais, em key note, teremos Naomi Fineberg a falar de Perturbação Obsessiva Compulsiva; Zélia Figueiredo a abordar as mudanças e desafios colocados à Psiquiatria pela identidade de género; Luís Madeira a falar-nos de geografias sociais contemporâneas enquanto novos paradoxos do isolamento; Raimundo Mateos a abrir o tema das pontes da Psiquiatria Geriátrica com as outras especialidades; Daniel Hell a falar sobre Vulnerability, Fragility and the Potential for Change; Philip R. Muskin trará o tópico da morte medicamente assistida na perspetiva da Psico-Oncologia; Raimundo Mateos vai apresentar-nos o Programa Ambulatório de Transtornos da Personalidade (AMBORDER), com ênfase no ensino, assistência e pesquisa na Perturbação Borderline da Personalidade. Teremos simpósios como o da Secção de Psiquiatria e Arte dedicado a “Édipo – Rei: Destino e Poder”, nas vertentes da pintura, literatura e música; da Secção de Psiquiatria Biológica sobre os riscos da pseudociência; da Secção de Intervenção Precoce na Psicose sobre Vivências e Implicações do Primeiro Contacto com os Serviços de Saúde Mental; a Secção de Psiquiatria Forense abordará o tema dos inimputáveis com perigosidade e a distinção entre os princípios, os meios e os fins. A Secção da Psiquiatria da Adição vai debater o estado da arte no papel dos psicadélicos no tratamento das adições; a Secção da Mulher propõe um debate alargado a várias idades e especialidades sobre o burnout médico na mulher; a Secção de Neuromodulação discutirá se a neuromodulação terapêutica não invasiva em Psiquiatria é um luxo ou necessidade; a Secção de Suicidologia propõe o debate difícil e atual sobre a prevenção do suicídio e morte medicamente assistida. Um programa recheado e contemporâneo!

Quais são as expectativas para esta reunião?

SSA: Altas! Contamos trocar formações científicas, experiências e reflexões que enriqueçam a nossa prática e que estimulem o desenvolvimento de atividades multifacetadas e plurais, humanistas e abertas à sociedade, como sempre foi o caso no exercício pleno da Psiquiatria. 

Qual a mensagem que gostaria de passar aos participantes?

SSA: Venham em força e tragam a vossa sabedoria, a curiosidade, as perguntas e as dúvidas, as experiências e dificuldades, as diferentes visões e o conteúdo científico das informações partilhadas. Contamos convosco para melhorar em cada oportunidade estas iniciativas e o exercício da Psiquiatria.